Wednesday, January 28, 2009

That's Not My Name.

Ziggy e o espacate

Parece que a ultima moda, super in, e ter um alter-ego. Novidade nao e, mas a onda ta voltando com tudo. Seguindo a linha dos poetas emo da Literatura Brasileira e do sempre sabio tio Bowie (que criou o Ziggy Stardust pra nao chocar milhoes quando saisse vestindo meia calca e maquiagem), menininhas pelo mundo afora nao resistem a mystique que um novo nome, nova personalidade oferece.

A Beyonce, como voces ja estao carecas de saber, casou com o mega mogul Jay-Z. E ia pegar super mal se ela saisse rebolando por ai, de shortinho e alianca no dedo. Entra Sasha Fierce, que e a Beyonce sem tirar nem por, com a excecao de uma luva de metal e voz de robo em uma ou outra musica. Tudo pra manter o espirito jovem, nao sentir o peso do casamento e despistar rumores de uma gravidez proxima. Ok, exagerei nas conclusoes, mas licenca que elas fazem sentido.


Beyonce x Sasha Fierce = tudo igual

Tudo muito lindo no mundinho indie ate que a minha super idala Natasha Khan me resolve fazer a mesma coisa. Pra quem nao conhece, a Natasha Khan, a.k.a. Bat for Lashes, faz a linha neo-hippie, usa faixa de paete na testa com maquiagem de indio Xavante. Ja a Pearl (nome classy que a Natasha escolheu pra sua outra metade), ganha a seguinte descricao:

“destructive, self-absorbed, blonde, femme fatale”

Natasha x Pearl

Ou seja, Natashinha cansou de ser cool. Resolveu apelar pro estereotipo de qualquer participante de reality show da tv Americana. Mas nao vamos julgar, o album novo do (da?/de?) Bat for Lashes sai em abril e e inteiro baseado na ideia de dois lados, duas personalidades. “Two Suns”. Se a musica ainda for a mesma, Natasha/Pearl pode virar BFF da Paris Hilton que ta tudo certo.
Por ultimo, entram TODAS as personagens do “Invisible Monsters”, escrito pelo Chuck Palahniuk (Fight Club, Choke). O primeiro livro que eu leio em 2009 cai como uma luva no assunto alter-ego. E e otimo. So nao rola ir adiante na descricao sem dar spoilers, entao fica a recomendacao.

E ai que fico eu aqui pensando: cade o MEU alter-ego? Cade meu nome brega e atitude duvidosa? Foi quando eu parei pra escolher as caracteristicas da outra EU que mudei de assunto e comecei a pensar em Mad Men.

Todas as materias, os elogios, os premios e twits sobre Mad Men nao foram suficientes pra me convencer a embarcar no seriado enquanto a 1a temporada era transmitida pela AMC. Mas nunca e tarde, e eu finalmente programei a nossa conta no Netflix pra me mandar todos os episodios ate eu alcancar o resto dos fas.

2 DVDs mais tarde, me entreguei a mais uma velha obsessao (tema curioso, recorrente nesse blog): os anos 60 e todas as alegrias que a decada pode proporcionar.

Focando nos aspectos mais interessantes que a serie reproduz super bem:

- A alegria de ver todo mundo fumando despreocupado, sem a paranoia do “preciso parar”. Cigarro era charme, era glamour, era bacana.

- A felicidade de tomar um coquetelzinho a qualquer hora do dia, seja na reuniao com o cliente, durante o papo com a vizinha ou na festinha das criancas.

- A liberdade de se entupir de maquiagem: base, rouge, batom, lapis na sobrancelha, e muito, mais muito laque e nao parecer uma palhaca na rua. Afinal, voce nao e a unica.

- E, por fim, a moda. Muito tule debaixo da saia, cinta liga que afina a cintura, salto-alto em dia de faxina. Feminilidade assim, em todo lugar.



Juntando A com B.
E por essas e por outras, meus amigos, que o meu alter-ego e uma dona-de-casa de suburbio nos anos 60. Uma dona-de-casa chamada.. Charlotte.

Betty Draper wannabe.

Charlotte nao se incomoda em nao ter um emprego, seu sonho e poder fazer a apple pie perfeita pro marido, e gasta ho-ras lendo os catalogos de moda. Charlotte organiza cocktail parties pras vizinhas, enche o caneco as 2 da tarde e passa aspirador no carpete lilas rapidinho antes de fazer o jantar.

Charlotte tem planos pro futuro, mas eles nao vao alem da programacao familiar, do martini no jantar ou da manicure as quartas-feiras. Charlotte e feliz. Limitada e feliz.

Charlotte e meu alter-ego do momento. Quando cansar eu escolho outro.

4 comments:

Angel said...

Bowie no Coachella...
Beyoncé no Copacabana...

Difícil é o meu ego alcançar o alter-ticket (aquele que dá direito a jantar e limousine) para vê-los...

;-

popmarta said...

Olá meninas :-)
Depois deste post inspirei-me e comprei o “Invisible Monsters”.
Estou ansiosa por começar a ler.
Beijinhos,

Marta

Thais said...

Oi Marta! Eu acabei o livro essa semana, e adorei. Foi meu primeiro Palahniuk e acho que nao tava preparada pras bizarrices, mas me diverti. Espero que voce tambem goste, conta pra gente depois.
Beijos!

Thais said...
This comment has been removed by the author.